O Globo em nome da coerência, precisa ser transparente

Marcelo Auler

Presente de Ano Novo de O Globo e da Prefeitura Municipal do Rio aos assinantes do jornal.

 

Nas edições do dia 1 e 2 de janeiro de 2016, os cerca de 170 mil assinantes de O Globo (dados de julho, quando a tiragem do jornal foi de 193 mil) receberam seus exemplares envoltos em uma cinta, em papel branco, de boa qualidade. Nada de mais, caso a publicidade não fosse de um ente público: a Prefeitura do Rio de Janeiro.

A população do Rio, como o próprio jornal tem anunciado em diversas reportagens, vive as consequências de uma grave crise financeira que afeta diretamente o atendimento nos hospitais, a merenda escolar quando do período de aulas e coloca em risco a própria conclusão de obras importantes para os Jogos Olímpicos – o xodó do prefeito Eduardo Paes -, como a linha de metrô para a Barra. Tudo por conta das deficiências de arrecadação do Governo do Estado.

Curiosamente, como se verá abaixo, no editorial de 13 de dezembro, O Globo pregou  a transparência dos gastos públicos por parte dos municípios. Este, sem dúvida, é um gasto que pode ser considerado duvidoso: o anúncio fala que o ano de 2016 veio para ficar – tema da festa de Réveillon na cidade. Apresenta alguma obras que Paes fez ou está em fase de conclusão. Na verdade, a publicidade é visa muito mais a campanha política de outubro, quando o prefeito tentará fazer seu sucessor, do que o interesse maior da população em si.

O que se questiona é se a empresa Infoglobo, para ser coerente com o editorial do dia 13 de dezembro, se dispõe a dar o exemplo e declarar quanto custou e como foi paga esta publicidade?

O anúncio não beneficiou o concorrente de O Globo, o jornal O DIA. Ao que parece foi uma publicidade dirigida. E ela acontece em dois dias atípicos, quando mesmo os assinantes dão pouca importância aos jornais, até por estarem possivelmente viajando.

Cinta encartada na edição do jornal O Globo de 1 de janeiro de 2016. Quem paga este custo?

 

Dirigida apenas aos assinantes, a propaganda atingirá, na melhor das hipóteses. 850 mil leitores, admitindo-se, por alto uma média de cinco pessoas lendo cada exemplar. Como muitos assinantes do jornal moram em outros municípios, o público alvo na cidade do Rio de Janeiro será ainda menor. A população do município é de 6.476.631 (segundo o portal meumunicípio.org.br). Logo, mesmo se considerássemos como 850 mil leitores na cidade, apenas 13%  dos munícipes serão atingidos.

Pode-se considerar que esta é apenas o início das despesas que a prefeitura, em ano de campanha eleitoral, gastará com publicidade e propaganda. Aproveitará o mote dos Jogos Olímpicos, mas estará de olho na sucessão municipal.

Em 2015, segundo uma reportagem publicada dia 28 de dezembro pela Folha de S. Paulo – Paes gasta com propaganda o dobro do valor despendido pelo governo do RJ – os gastos nesta rubrica totalizaram R$ 107,2 milhões. Já o governador Luiz Fernando Pezão gastou R$ 57,6 milhões.

Do total dispendido por Paes, pelos dados do portal RioTranspartente, R$ 8.822.263,34  (8,22% do gasto) foram destinado à empresa Infoglobo Comunicação e Participação S.A., editora dos jornais O Globo, Extra e Expresso. Estas despesas se concentraram na Empresa de Turismo do Municipio – Riotur, que respondeu por R$ 7,1 milhões. A  maior parte deste valor destinado a Promoção e Venda do Produto Rio de Janeiro. Curioso é vender o turismo da cidade em jornal de circulação local, principalmente quando, segundo dados existentes, o maior número de visitantes de outros estados parte do interior de São Paulo.

Na busca no Portal de Transparência não se encontra pagamentos a jornais como O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo. Mesmo ao concorrente de O Globo, o pagamento registrado, estranhamente, é ínfimo: R$ 2.395,20 (dois mil, trezentos e noventa e cinco reais). Nada mais aparece em nome da Editoria O Dia, nem da empresa EJESA – Empresa Jornalística Econômico, que mantém a publicação. Também não se localizou despesas em nome da TV Globo, Rede Globo ou Globo Participações – Globopar. Da mesma forma, não há registro para Rádio Globo ou Sistema Globo de Rádio.

Certamente os defensores da publicidade paga com dinheiro público – não há, aparentemente, nenhuma coparticipação no anúncio – defenderão que a crise financeira não é do município, mas do Estado, comandado por Pezão. Lembrarão ainda que Paes adiantou R$ 100 milhões ao governo estadual para socorrer a saúde pública, que estava falida.

Manchetes do próprio O Globo revelam a crise financeira que atinge cariocas e fluminenses de uma maneira em geral.

Manchetes do próprio O Globo revelam a crise financeira que atinge cariocas e fluminenses de uma maneira em geral.

Sendo do Estado ou da Prefeitura, a crise, como o próprio jornal cansou de publicar nos últimos dias (veja manchetes na foto ao lado), afeta a cariocas e fluminenses de uma maneira em geral. A elas não interessa de onde vem o dinheiro, mas sim que os serviços básicos lhes sejam oferecidos, ainda mais em momento de crise financeira e de desemprego.

Sem falar que tanto o governo de Paes tem o apoio de Pezão, como este apóia o prefeito. Os dois, por sua vez, junto com a família Picciani, que controla a Assembleia Legislativa do Rio, unem forças na defesa da presidente Dilma Rousseff. Logo, todos apoiam todos e todos deveriam jogar em um mesmo time, em parceria, não em jogadas individuais. E esta parece ser uma jogada meramente individual do prefeito que sonha alçar vôos maiores, como se candidatar à sucessão de Dilma pelo PMDB. Para isso, precisa emplacar seu sucessor.

Não me cabe, como jornalista, avaliar o retorno que esta publicidade poderá trazer não ao prefeito, mas à cidade em si. Deixo esta tarefa aos publicitários. Lembro apenas que o slogan da cinta colocada nas duas edições do jornal foi o mesmo usado na festa do Réveillon da cidade na noite do dia 31 de dezembro. O alcance ali foi muito maior, ao atingir cerca de duas milhões de pessoas que passaram apenas na praia de Copacabana. Fora outras festas espalhadas em outros bairros.

Logo, queira-se ou não, temos um gasto duvidoso com retorno ainda mais duvidoso para a cidade em si. Isto, repita-se, em um estado que vive necessidades básicas, como os hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) paradas ou atendendo mal, por falta de salário dos médicos, de repasse das verbas às Organizações Sociais que cuidam delas – pois o serviço foi terceirizado.Cabe, portanto, a pergunta: é válida uma despesa dessas em um momento de crise? O retorno que esta publicidade trará, compensará o gasto que poderia ser aplicado até mesmo nas obras que o município faz para receber os Jogos Olímpicos? Não terá sido muito mais uma publicidade com fins eleitoreiros?

Vale aqui transcrever um trecho da matéria “Hora de entregar projetos, apesar da crise”, publicada dia 1 de janeiro, em O Globo, sobre os desafios do Rio para 2016:

“Porém, antes dos Jogos e do término das obras olímpicas, o governo estadual terá de superar a crise financeira que atingiu o Rio de Janeiro em 2015 e que revelou sua face mais cruel na área de saúde. Sem previsão concreta de aumento nas receitas, o Palácio Guanabara precisará encontrar alternativas rapidamente e cortar gastos, alertam especialistas em administração pública. 

— Após as Olimpíadas, haverá uma forte queda nos investimentos. Tudo indica que o fluxo de receitas se manterá tão ruim quanto em 2015. O que poderá dar uma sobrevida é a obtenção de de uma boa operação de crédito junto ao governo federal. Mas isso não vai resolver os problemas, será preciso fazer mais — afirma Pedro Jucá Maciel, que tem pós-doutorado em economia pela Universidade de Stanford, nos Estados Unidos.

Na área de saúde, além da necessidade de melhorar a gestão da rede pública, o Rio necessita de uma grande e urgente mobilização (grifei) para o combate ao mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão da dengue, da chikungunya e do zika vírus. Um outro desafio é dar a volta por cima na educação, que, no ano recém-encerrado, foi marcada por escolas e universidades fechadas por falta de recursos e professores em greve.

Por fim, um desejo une a favela e o asfalto: paz. Para encontrá-la, destacam especialistas em segurança pública, é preciso dar um novo fôlego ao programa de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs)”.

Como se vê, os desafios listados pelo próprio jornal são muitos e dependem, como diz a reportagem, de uma ampla mobilização. Ela inclui, por óbvio, os prefeitos dos municípios do Estado, em especial o da capital. Inclusive na questão das UPPS que, como tem batido insistentemente o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, não pode ser vista como mera questão policial. Precisa de ações sociais, a cargo da prefeitura. Por isso, o dinheiro gasto por Paes deve ser controlado pela sociedade, como o próprio jornal defendeu editorial postado dia 13 de dezembro.

Em editorial, dia 13 de dezembro, o jornal  defendeu a pressão da sociedade sobre os prefeitos para se saber o que é feito do dinheiro público. E vaticinou: "Sem transparência não se pode pensar em combater a corrupção". Chegou a hora dele ser transparente e mostrar quanto a Prefeitura do Rio pagou.

Em editorial, dia 13 de dezembro, o jornal defendeu a pressão da sociedade sobre os prefeitos para se saber o que é feito do dinheiro público. E vaticinou: “Sem transparência não se pode pensar em combater a corrupção”. Chegou a hora dele ser transparente e mostrar quanto a Prefeitura do Rio pagou.

No editorial (veja ao lado) ele incita os munícipes a cobrarem dos políticos e executivos municipais as despesas com dinheiro público. Diz ali:

Nem por isso, porém, a tendência a ocultar dados sobre a máquina mantida pelo contribuinte deve ser considerada parte imutável da natureza brasileira. A sociedade precisa pressionar, a exemplo do que está fazendo o MPF; de início, a instituição negocia extrajudicialmente com as prefeituras para que elas adotem medidas para facilitar o acesso às informações (…) Sem a transparência, não se pode pensar em combate à corrupção, mal que os brasileiros não suportam mais, e um dos que estão no cerne da crise que devasta o país“.

Não apenas a corrupção devasta o país, mas também troca de favores. Com relação às mídias, de uma maneira em geral, isto se dá com a prática de dinheiro público alimentando anúncios nem sempre necessários. Curiosamente, jornais e colunistas da grande imprensa costumam classificar blogs e mídias da internet como chapa branca por receberem anúncios governamentais e de empresas estatais. Não olham o próprio umbigo, pois grandes conglomerados de comunicação – cuja existência, por si só, já é uma aberração – detêm a maior parte destas verbas, com anúncios com retorno muitas vezes é duvidoso. Como no caso da edição de hoje de O Globo.

Ao jornal, resta uma possibilidade. Mostrar coerência com o que pregou no editorial e, adiantando-se a qualquer cobrança pública, de forma transparente apresentar a conta dos anúncios e o responsável pelo seu pagamento. Não vale respaldar-se no fato de ser uma empresa privada pois, pelo que se nota, o anúncio está sendo pago com dinheiro do contribuinte em uma cidade que vive uma crise econômica grande. O exemplo precisa ser dado. Resta saber se a coerência será exercida.

 

8 pensamentos sobre “O Globo em nome da coerência, precisa ser transparente

  • 2 de janeiro de 2016 em 17:14
    Permalink

    Jornalista Marcelo Auler,

    Você já trabalhou em grandes jornais e revistas; sabe como funciona uma redação e o departamento comercial das grandes empresas de comunicação. O que elas querem é mamata, dinheiro público fácil. Como bem esclareceu o jornalista Paulo Nogueira, a editora abril passou a perseguir e hostilizar Lula, o PT e os petistas devido ao fato de não ter renovados contratos de publicidade e de fornecimento de livros didáticos ao governo federal, quando Lula era presidente. Com a Folha ocorreu algo semelhante; o diretor do jornal se aproveitou de um almôço com Lula, para humilhá-lo pelo fato do ex-presidente ser monoglota; no fundo o que o sr. Frias filho desejava era pressionar Lula a fechar milionários contratos de publicidade com a Folha.

    Resido no Rio há seis anos e fico impressionado com a proteção e blindagem que os veículos de comunicação (principalmente da família Marinho) dão ao prefeito e ao governador. Os escândalos e irregularidades em obras públicas da gestão Sérgio Cabral foram esquecidos; não se fala mais em Construtora Delta, em jantar em Paris, em passeio de helicóptero com Cachorrinha; em ligações do ex-governador com a concessionária que explora o transporte aquaviário… Hoje a capital fluminense é um verdadeiro canteiro de obras, algumas que caminham a passos de tartaruga; e se há muitas obras, a probabilidade de irregularidades também é grande. Mas nenhum veículo da grande mídia dá sequer uma nota a respeito. Polícias e MPs também não sabem de nada.

    O diário dos Marinho e seus ‘colonistas’ adoram acusar a corrupção (dos outros, pois a dos aliados está debaixo dos bigodes deles e fingem não ver). Mas usar do dinheiro público para fins particulares é corrupção; levando em conta essa acepção, quando veículos de mídia aceitam receber dinheiro público visando benefício da própria empresa de comunicação e realizando publicidade com cunho eleitoral (como ficou evidenciado nesta reportagem) temos aí um grave caso de CORRUPÇÃO. Portanto a moral dos ‘colonistas’ e dos que vociferam contra a corrupção por meio dos veículos de comunicação do grupo Globo é comparável á das prostitutas que posam de virgens (com todos o respeito a cada uma dessas categorias). Onde estão os procuradores do MP e a polícia técnica?

    Continue com essa ‘pegada’, fazendo o verdadeiro jornalismo. Nós, leitores, lhe agradecemos e lhe desejamos muita saúde neste ano de 2016, para que possa continuar esse trabalho de utilidade pública e que você faz com tanta competência. Vida longa a você e ao blog.

    Responder
    • 3 de janeiro de 2016 em 00:54
      Permalink

      “Como bem esclareceu o jornalista Paulo Nogueira”. PAULO NOGUEIRA, aquele que vive às custas do dinheiro público que financia um panfleto governista disfarçado de site jornalístico (Diário do Centro do Mundo)?? Só pode ser piada essa argumentação.

      Responder
      • 4 de janeiro de 2016 em 13:18
        Permalink

        Eu não faço acusações sem provas. Marcelo Auler fez uma reportagem, provando que dinheiro público foi colocado no jornal O Globo, como forma de beneficiar eleitoralmente o candidato apoiado pelo prefeito Eduardo Paes. Eu denuncio, com provas, a moral de prostituta dos colonistas e pigais. E você? Possui provas de que o jornalista Paulo Nogueira e o blog dele vivem às custas do dinheiro público? Onde estão as provas disso? Acusar levianamente é fácil.

        Responder
  • Pingback: O Globo em nome da coerência, precisa ser transparente | Marcelo Auler | Q RIDÃO...

  • 4 de janeiro de 2016 em 10:17
    Permalink

    Hehehe… o Paulo Nogueira é sério, a mídia toda é comprada, a “proteção” ao prefeito do Rio e aos governantes estaduais existe porque há verbas públicas de publicidade jorrando… porém os ataques ao ex-presidente “só” acontecem porque ele “não aceitou” renovar contratos de publicidade e venda de livros didáticos. Hehehehe… as pessoas acreditam naquilo que elas querem, realmente… Feliz ano velho!!!

    Responder
    • 4 de janeiro de 2016 em 13:39
      Permalink

      Você acredita na mídia pigal porque quer. Como o outro missivista vem você generalizar e atribuir a mim frases que eu não escrevi. Ou você pensa que os grandes veículos de mídia estão, de fato, preocupados em combater a corrupção? Deve acreditar que os procuradores do MP, a polícia federal e o juiz sérgio moro agem com isenção e também têm interesse no combate efetivo à corrupção e não agem de forma político-partidária. Deve acreditar, também, que na época de FHC, de Collor, Sarney e toda a milicalha não havia corrupção ou o que o nível era menor. Como você disse, cada um acredita no que quer. Fique com suas crenças.

      Se você sabe o que representou a era FHC, sabe do que fizeram e fazem os governos tucanos em SP, o que fizeram em MG e andam fazendo no PR, e mesmo assim se acha muito ‘consciente’, ‘bem informado’ e ‘engraçadinho’, para questionar meu comentário, sinto muito, mas seu caso é patológico. Lula e o PT são atacados pela imprensa não pelos erros, mas pelos acertos. Leia os livros de Jessé Souza, leia Piketty, leia Foucault; leia também as informações publicadas pelo IBGE, pelo IPEA e outras instituições que fazem levantamentos e estudos sócio-econômicos no Brasil. Você, eu e outros temos o direito de criticar os governantes atuais e passados. Mas todos temos o dever de sermos honestos intelectualmente. Quer criticar Lula e o PT? Faça a crítica de forma pertinente, apresente fatos e dados que comprovem acusações que faça contra eles. O que não é aceitável é tomar como verdade factual o que é veiculado na grande mídia empresarial brasileira.

      Responder
  • 7 de janeiro de 2016 em 10:59
    Permalink

    A “direita” brasileira é realmente campeã. Não consegue compreender o que é concorrência. Fala mal do custo brasil mas é a mãe do isolamento e da falta de integração nacional. É incrível como a mentalidade não mudou: o século XX transcorreu sem o investimento necessário na educação crítica e na desconstrução da identidade fabricada pela minoria detentora do dinheiro/ poder. A população só enxerga a corrupção dos políticos, ou seja, do Estado; esquece que o dinheiro para pagá-los jorra da iniciativa privada. E, quando fica impossível travar o processo em seu nascedouro, como o escândalo da Alstom, os escravocratas poupam os corruptos. O Brasil é o que é por causa dessa turma, que não começou agora e tem know how de administrar tanto o país – mal -quanto o povo.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>